quinta-feira, 24 de setembro de 2009

Pequena história de um sinistro

Invisível a si própria em seu próprio tráfego, ela andava desgovernada pela rodovia. A polícia então a para mas constata que era tarde demais. O acidente já havia acontecido há muito tempo: Insulfilm cobria seus olhos.

5 comentários:

Lara Amaral disse...

Que legal. Triste, mas bem idealizado, muito poético. Abraço.

Talita Prates disse...

Nossa, Lu, querida!, fiquei emocionada com teu comentário lá no meu blog, diante do meu "desabafo". Fico muito agradecida, viu... Valeu mesmo!

Esse microconto me impressionou! Mto bom!
Há perigo nas ruas... Há perigo na vida.

Bjo grande!
Talita

Luciane disse...

Obrigada, Lara...Mas triste mesmo seria a gente nunca perceber que pode estar com insulfilm em nossos olhos, e quando achamos que estamos nos protegendo do mundo, estamos é fugindo dele! Obrigada pelas tuas visitas e comentários! Bjo!
***
Ah, Talita, tu disse tudo... O perigo está com a gente sempre, mas temos que seguir conduzindo a vida o melhor que podemos e de olhos bem abertos, né? Beijão, querida!

Renata de Aragão Lopes disse...

E-MU-DE-CI.

Luciane disse...

Acho que isso é bom então... :)
Obrigada Re, querida.