segunda-feira, 30 de março de 2009

Um sonho de simplicidade


"Então, de repente, no meio dessa desarrumação feroz da vida urbana, dá na gente um sonho de simplicidade".

Início perfeito dessa crônica de Rubem Braga que li ontem à noite. E essa frase transmite exatamente isso. Um desejo que tantas vezes nos passa despercebido. De ser simples. De amar simples, de dizer as coisas de um jeito simples. Esse mesmo autor me contou ontem, baixinho antes de eu dormir, que o que deve impressionar em um bom poeta é sua faculdadde de dar um sentido solene e alto às palavras de todo dia.

É ver o café da manhã com olhos de banquete. É dar bom dia no trabalho como se aquele fosse um dia dos mais felizes, ou então dos mais dramáticos, mas que não seja reles nem comum. Hoje não é só mais um dia. Hoje não é apenas mais uma segunda-feira. Hoje é agora. E agora tem uma vida maravilhosamente simples se apresentando a nós.

E assim vou vivendo meu sonho de simplicidade.

2 comentários:

pensar disse...

Oi Lu,

Esse maravilhoso fim de semana me trouxe algumas reflexoes, descristalizacoes e rompimentos.
Estou para o simples, e quero sempre estar.O silencio anda me dizendo tudo que preciso saber e desejos e mais desejos sao frutos de nossas mentes, que se nao tem problemas nao sabem quem sao.
O encontro para possibilitar o desencontro.
Libertar-se do Eu e simplesmente ser.
Permitir, se permitir e permitir
Para cada vez mais ampliar a vida do agora.
(ps:poesias,filosofemas e risos)
Bjs Mari

Luciane disse...

Filosofemas e risos. Muito bom isso!
Valeu, Mari, sempre contribuindo por aqui!
Beijão!