terça-feira, 10 de março de 2009

O incêndio de cada um

Cada um tem um momento, um gesto, um ato em que se individualiza e brilha. Nisto nos parecemos com os animais e peixes ou quem sabe com as nuvens. Animais e peixes tem isto: tem trejeitos raros e sedutores, cada um segundo sua espécie. Até as nuvens, como eu dizia, tem o seu momento de glória.

Uma vez vi um pintor em plena ação, pintando. Meu Deus! O homem era um incêndio só, uma alucinação. Sua respiração parou, ele praticamente bufava, parecia mais um cavalo de corrida, indômito, indócil. E sua face vibrava, havia febre nos seus gestos. Era uma erupção cromática, um assomo de formas e volumes.

Então é disso que eu estou falando. Dessa coisa simples e única, quando o que um tem de mais seu relampeja a olhos vistos. Quando isto se dá quebra-se a monotonia e o indivíduo se transcendentaliza.

Isto é o que importa: o incêndio de cada um. Cada qual deve ter um jeito de deflagrar sua luz aprisionada. As flores fazem isso sem esforço. Igualmente os pássaros. Todos tem seu momento de revelação. É aguardar, que o outro alguma hora vai se manifestar.

Affonso Romano de Sant'Anna

2 comentários:

Nadia lopes disse...

Lindo o post LU!
Adorei a tua presença lá,ajudou a energia do evento ser ainda mais bonita e poderosa!
Anota o fone da Pixel 32319719 Thiago e Carol...estamos louca para te ver com o material novo!

beijo

Luciane disse...

Acho que eu e tu, cada uma com seu incêndio único e singular, damos certo juntas. E talvez por isso tu estavas de vermelho: em chamas! Quero estar por perto em todas as conquistas e novos desafios.
E tua filha é simplesmente o máximo!
Vou agilizar esse contato e fazer um material novo bem legal!