segunda-feira, 6 de julho de 2009

High Hopes e Ana Maria Braga

Já li e ouvi diversas vezes que escrever não é um dom nem fruto de inspiração. É fruto de necessidade.

Hoje preciso escrever. Preciso dizer que ontem, depois de muito tempo, ouvi a música High Hopes do Pink Floyd, e fiquei pensando nessas tais hopes que a gente vai construindo ao longo do tempo. Ideais que a gente tem arquietetados para nossa vida, para as pessoas que nos rodeiam, e que, lógico, vão se adequando à realidade e perdendo todo aquele encanto do inatingível "ideal".

Acho que ando melancólica. Mas ontem senti um cansaço por tantas esperanças ainda esperadas. Uma falta de fôlego pelas expectativas que ainda não cumpri. As minhas próprias, que geralmente são muito maiores do que as dos outros.

E, ao meu redor, pessoas que não conseguem lidar com um não, pessoas que só querem um não, pessoas que temem o sim, pessoas que querem garantias antes mesmo de arriscar, pessoas que nem mesmo sabem para onde estão indo, pessoas com medo,... pessoas, pessoas. Onde eu fico em meio a isso tudo? Então me pergunto: será que sou eu quem aceita um não fácil demais? ou então quem diz o não cedo demais? Será que sou eu quem, pior ainda, fica esperando demais por um sim ou um não antes de tomar as atitudes que eu desejo? Como é dificil achar o nosso lugar interno quando há tanto barulho ao redor... Preciso de um spa(ço) mental de mim.

E hoje, como presente para mim mesma achei que eu ia conseguir ir ao show do Jorge Drexler, que seria bem esse momento de paz que eu tanto preciso, mas não deu certo. Acho que vou ouvir ele na minha casa mesmo, e tentar achar esse espaço na marra.

Porque (eu sei, é ridículo) tem dias que eu queria ser a Ana Maria Braga.

6 comentários:

Marilu disse...

Ando idem idem este parágrafo
"Acho que ando ..."
Será efeito de inverno frio, umido e escuro ?

Sou muito mais vc Lu do que AMB ;)
Bjos queridona

Carol Passuello disse...

Pensar dói, né? Quando eu tava na faculdade, era bolsista de uma professora que tinha um texto chamado "A tranquilidade dos ignorantes". As vezes é melhor ser Ana Maria mesmo...
Bjs

pensar disse...

Ana Maria Braga:....Tv, receitas e risadas forcadas ,o marido o seguranca, cada passeio clicks e autografos(privacidade e paz 0). Se for por falta de receitas ate tenho umas para dar, senao esqueca pq isso eh o frio, soh pode ser... fico com teus textos e poemas que me mostram uma pessoa muito especial.
Uma otima terca.Ah parece q o sarau eletrico nessa terca tem a presenca do L.Fernando Verissimo!!!
Bjos

Milena Matias disse...

Não é ridícula não Luciane...podemos nos dar ao luxo de querer coisas e ser pessoas, até mesmo Ana Maria Braga...kkk...
Ainda bem que vc transforma sua "melancolia" em textos, eu os adoro!
Beijos

Luciane disse...

É, Marilu querida...talvez esse invernos esteja fazendo isso com a gente. E, ufa, obrigada pela preferência! :P Bjos!
***
É bem essa tranquilidade dos ignorantes que eu fico desejando por alguns segundos na vida...mas não adianta, passa rápido essa vontade. Quando a gente abre os olhos, não dá mais pra fechar, né? Bjão!
***
ô Mari...obrigada! São momentos súbitos, que passam, ainda bem! E o sarau...putz! Agora to sempre sem ter como ir porque jogo o meu voleizinho sagrado às terças! Aproveita por mim e depois me conta!
***
Valeu, Milena! A gente tenta tranformar a dor em algo útil. Nem sempre dá... mas vale a tentativa. Bjos!

Wania disse...

Oi, LU... tem dias que a gente perde o fôlego mesmo e se entristece... faz parte, mas nada como um dia depois do outro e uma noite de descanso no meio. .. rsrsrs!!!! Logo, logo recobramos a nossa força e vamos em frente!

Agora, abandona esta idéia de ser Ana Maria Braga...por favooooooor...rsrsrsrs. Tua linda poesia ia ter que ficar de fora, aquele corpicho não suporta esta carga extra, já o teu... leva LEVE!!!!

Bjão, amiga querida.
Saudades das nossas segundas...