sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Mudas

Estou muda. Garganta arranha. Vida dificil de engolir.
Sou muda. Semente nova. Me rega para eu florir.
Então muda. abandona o antes. E pode vir.

9 comentários:

Kenia Cris disse...

Sutil e belíssimo! Temos tanto o que aprender com o mundo à nossa volta, mas são raras as pessoas que conseguem compreender os ensinamentos das plantas e dos animais por exemplo. Obrigada por nos presentar com um texto tão lindo.

Beijoca!

Lara Amaral disse...

Amiga, sem querer, o poema que escrevi ontem está em sintonia com o seu, que legal.

Beijos, querida!

Wania disse...

Fiquei muda!


Liiiiiiiiiiiinda tua poesia!
Amei, Lu!

Bjão cheio de saudade


PS: que tu melhore logo!!!

Renata de Aragão Lopes disse...

MUITO BONITO, Lu!
Delicado,
gracioso...

Bom domingo!
Beijo.

Esdrúxula disse...

simples e completo.

Marcos Satoru Kawanami disse...

se chover, não carece regar a horta?

Nádia Lopes disse...

Oi, LU
que esse seja um silêncio lagarta necessário pra planejar todas as cores do novo vôo ,assim espero!
beijooo

Talita Prates disse...

Lindas
MUDAS!

Bjo, Lu, querida!

Luciane Slomka disse...

obrigada pessoas queridas!