sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

...

E de repente a morte, essa do não mais respirar ou existir, virou coisa pequena e boba. Quando ela percebeu que existe bem mais dor do que a de sufocar e que o coração pode doer mas também gozar muito mais até a hora em que resolver parar, começou a sorrir. E o lenço que envolvia suave seu pescoço alvo voou e foi pousar delicado e solene na grama que ela pisava e tudo começou a ter sentido. Ela fumava, e ficava a suspirar que a vida lhe intoxicava. Ela bebia, e esbravejava que a vida lhe embriagava. Mas nada disso era correto. A única certeza que agora ela carregava era o vento, e foi nesse instante que ela percebeu o óbvio: de que os olhos secam quando não piscamos, de que a garganta seca quando não aprendemos a calar. E ela calou, e piscou. Sentou, respirou, sentiu o batimento do próprio coração e começou a viver.

8 comentários:

Mile Corrêa disse...

"sentiu o batimento do próprio coração e começou a viver."

há coisa mais linda que começar
a viver? antes tarde que nunca!

Marcos Satoru Kawanami disse...

é por aí, continua.

Talita Prates disse...

que orgulho dela!

Lindo, Lou.

Diz além.

Um bjo, querida.

Talita
História da minha alma

Pedro disse...

Pelo menos ela percebeu a vida antes que fosse tarde demais.

Renata de Aragão Lopes disse...

Também me calei.

Nádia Lopes disse...

Ah, Lu..lá no antigamente onde fui adolescente se cantava: "tudo é uma questão de manter a mente quieta, a espinha ereta o coração tranquilo"...agora eu sei, bom se conseguirmos tudo isso ou ao menos estar o coração batendo e pronto pra recomeçar né?
beijo grande- saudade

Sonia Pires disse...

Tenho um presente para ti no meu blog, te dediquei o "Prêmio Blog Vip".
Um abraço

Sonia Pires disse...

Tenho um presente para ti no meu blog, passe lá para receber o "Prêmio Blog Vip".
Um abraço