sexta-feira, 2 de julho de 2010

Essa vida é uma rótula


Hoje de manhã, enfrentando a rótula da Nilo Peçanha, aqui em Porto Alegre, fiquei pensando que a vida é bem parecida com uma rótula de trânsito.

Em princípio, deve-se dar preferência a quem já esteja trafegando nela. Precisamos saber a hora certa de poder entrar, de pedir passagem, para que não haja colisões.

Mas todos, todos, deveriam ter que parar. Mas quase nunca é o que acontece. Quem vem da Nilo Peçanha, avenida grande, de maior velocidade, parece que se sente no direito de seguir adiante, à frente de quem vem das ruas menos movimentadas.

Eu, no trânsito e na vida, quero andar pelas vias menos usadas, não quero trafegar onde todo mundo trafega, não quero dirigir rápido demais. Quero parar alguns segundos antes de cada rótula para ver o que está a minha frente.

Eu sempre paro nas minhas rótulas. Tem gente que ignora as suas. Ignora até que existam outros carros querendo passar também. Carros maiores, menores, mais velozes, mais potentes, mais antigos, mais chiques. Mas são todos carros.

Somos todos gente. Sei lá, não quero ser atropelada nessa vida, não quero mais colisões e nem quero ter perda total. Porque a vida real não tem seguro.

6 comentários:

Tati Pastorello disse...

Que texto incrível! Nem sei o que mais comentar. Tem tanto para se pensar aqui. Também quero dirigir devagar, olhar as rótulas e ainda mais, olhar a paisagem, sem perder de vista o carro de trás, o carro da frente, os carros ao lado (ou as gentes nestas mesmas posições).
Lindo!
Beijos.

Renata de Aragão Lopes disse...

Lu,

estou impressionada com a coincidência! Você e eu, no começo de julho, apresentamos a vida como uma via!

Convido você a ler o meu poema "Mão única". : )

Abração, querida!

Manuela disse...

Luciane!Tua forma poética de encarar a uma rotula me tocou. Certamente não verei uma rótula da mesma forma!
Tua sensibilidade e talento é coisa rara.
Parabéns...e que tu sigas assim..tocando a quem se deixa tocar.
Beijao.

Luciane Slomka disse...

Valeu, tati! Que a gente possa dirigir mais conscientes nessa vida, né? Bjo!
***
Rê, já fui lá e deixei meu recadinho. Sincronicidades! Bjão!
***
Lela, querida, minha nova amiga! Obrigada pelos elogios. Vamos trocar muito mais idéias ainda! Beijao!

Anônimo disse...

PARA VALORIZAR A VIDA E NECESSARIO TER VALORES MORAIS. A VIDA NAO TEM SEGURO PORQUE OS VALORES ETICOS E MORAIS SAO PRIVIGEGIOS DE POUCOS COMO VOCE...

Valença disse...

Luciane, gostei muito do teu blog e principalmente deste texto, tanto que colei em meu blog (sem nem pedir licença, rsrsrs). E reforça a idéia de que cada um dirige como vive. um abraço
Eliana Valença
www.liavalenca.blogspot.com