segunda-feira, 4 de janeiro de 2010

Virando a ampulheta

Graças a um presente de Natal que escolhi dar nesse final de ano lembrei de algo que me fascina desde criança e que eu havia esquecido: ampulhetas.

Percebi, aos longos dos dias do feriado, que eu era quem mais manipulava e observava a ampulheta que eu presenteei. E olhando para ela percebi que ela tem o símbolo do infinito, o mesmo que tenho tatuado em mim. A ampulheta é a esperança do tempo sobre a inexorabilidade do próprio tempo. É a chance da chance de uma nova chance. A areia que passa por ali é a mesma, mas tenho quase que absoluta certeza de que ela jamais passa duas vezes da mesma maneira, na mesma ordem de grãos. Por isso o tempo é sempre diferente, mas sempre o mesmo.

2010 começou. Vireamos a ampulheta e a areia começou a cair. Temos 365 dias. 361 exatamente na data de hoje. Mas não tenho pressa de acertar ou prever de que forma minha areia irá se comportar, porque ainda quero dar muitas voltas na minha ampulheta. Deixo que meus grãos escorram suaves pela pequena passagem apertada, como podem ser muitas vezes algumas situações da vida. O certo, que acontece na ampulheta e também na vida, é que não podemos ficar olhando demais para a ela. Se olhamos muito, parece que o tempo não passa nunca e não fazemos nada. Se não olhamos e nos distraímos, quando percebemos o tempo passou e também não fizemos nada. Há que se olhar de vez em quando, só para lembrar de que a areia segue caindo, que seguimos vivos e que temos ainda muito a fazer.

Deixo que os dias venham me contar o que será do meu tempo. Mas a virada já começou muito bem, cheia de esperanças, cheia de retornos eternos e cheia dos meus sonhos e devaneios infinitos.

7 comentários:

ELtaura disse...

E quando esta ampulheta indica uma determinante, a resolição de um emapce?! Como administrala? No é facil neh impar.
Belo texto, bela virada.

marcelo disse...

Eu quero uma ampulheta dessas de presente também! Torço para que nesses teus 361 dias consigas contruir muitas coisas com o tempo. Que teus devaneios, sonhos e esperanças sejam a tua areia, mas não os teus castelos! Beijos e boa sorte.

Talita Prates disse...

Lu,
apesar do atraso
vim deixar meus votos de
dias-novos repletos de autenticidade, verdade e liberdade pra vc!

Viremos a ampulheta e... carpe diem!

Um bjo grande,
Talita.

Renata de Aragão Lopes disse...

Lu,

também tenho fascínio
por ampulhetas!
Virei o ano
com a intenção
de encontrar
uma belíssima
para minha sala.

Girá-la
me traz paz...

E é uma grande paz
que lhe desejo! : )

Beijo, querida!
Felicidades em 2010!

Kelen disse...

Inexorabilidade? Putaqueospariu, mas aí tu te puxou muito! Um ano novo nada inexorável pra ti!

Rafaela Figueiredo disse...

eu, como vc, também tenho uma grande atração por ampulhetas! e, também, bússolas! _belas criações.

bonito o post!
que o novo seja, gradativamente, filtrado de coisas boas e valiosos acontecimentos! _pro mundo todo.

beijo

fernanda barreto disse...

o tempo não anda
o tempo voa.
é irregular
e nunca está
no mesmo lugar.
=)

ou como diria um amigo meu: o tempo muge!

mús e beijos,
nanda