quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

Quiet music in my soul

Eis que voltar desperta essa coragem
Minhas pequenas raivas diárias,
lutas pelos silêncios que rompem,
brindes a novas canções e ritmos.

Eis que voltar me dá vontade
de escrever sem medo
conversar com quem olha nos olhos
chorar de emoção e explosão
Vontade de ouvir e cantar Vitor Ramil

Eis que voltar engolfa minha preguiça
e diz "Vai lutar! Vai brigar pela vida!"
A vida é lenta para quem não sorri
As escolhas são fáceis para quem se lamenta.

Eis que voltar me afugenta da fuga de mim.
Porque não tenho mais escapatória
Já me conheço o suficiente
Para me amar, odiar e absolver.

Eu não me lamento. Quase nunca.
Eu escolho. Eu erro. Eu aprendo
Eu volto. Eu vou. Eu repito.

Já errei muito. Tanta bobagem...
Já escrevi o que não devia,
Já não falei o que precisava.

Palavras, faladas ou escritas:
Seriam desabafos em sons e tinta,
ou meras fantasias de carnaval?

Eu não acredito em mais nada
além de mim e naqueles que me rodeiam
Os escolhidos e os acidentais

Minha solidão virou minha parceira
e o meu medo ainda me visita,
somente quando não estou preparada.

Eu quero enxergar as coincidencias,
eu quero perceber sincronicidades

Eis que voltar dá essa saudade
de tudo o que construí pela vida
e que me abandonou
ou que deixei para trás

Eis que voltar dá essa alegria
de ver onde cheguei
e de que esse não é um lugar
E sim um estado.

Pois eis que voltar me mostra
que meu descanso e minha paz
me seguem onde eu estiver:
Praia, serra, campo, cidade.

Edifico minha cidade em mim mesma
e o tempo não interessa mais.
Eu vou, eu volto e viajo em mim.

Recebo companhias,
afasto quem me afasta de mim
abraço quem compartilha o medo
dou a mão a quem se mostra
sorrio lágrimas a quem cala comigo
diante da loucura que é viver,
e não é preciso dizer mais nada.


"There is a sculpture
Steel and snow
Quiet music
In my soul

Joy, deep inside it is joy
Where I shape the steel
Leave me there
Pain, where I shape the pain
Deep inside it snows
Let me stay there..."

Vitor Ramil - Quiet Music

4 comentários:

Kelen disse...

"A vida é lenta para quem não sorri". Não pareceu quase uam resposta ao meu post? Eu concordo que seja lenta, mas nem sempre é fácil, é?

pensar disse...

Adorei o "afasto de quem me afasta de mim"
Mando um poema meu, que imagino ter algo a ver com tua profissao(vista pelos meus olhos, obviamente)

Fora da sala de espera


Falas de uma vida
Em cada vida um mundo a parte
Escorrem da boca, correm sala a fora
Caem em seus ouvidos e vão sendo percebidos

São chaves encontradas
De falas trancafiadas
São partes desconhecidas
Que partem em movimento
Levando ao vento a vista da vida


Enchem de ar os pulmões
Despertam adormecimentos
Abrem a porta do sorriso
Abrem o coração ao simples

É tempo de re-edição
Hora de mudança
Tempos de detalhamento

Desconfortos se aconchegando
E do nada mais se vê chegando
Se associam com sentido que era despercebido


Vai se percebendo
Vai decorrendo
As entranhas da pele
As manchas do Sol
As corridas da vida

Atrás de cada ato
desato a razão
descaso o sentido
descanso o perigo
desfaço o seguido
sigo sentindo
detalhando a atenção

De mudança em mudança
Está o sentido de poder ir sentido

Toda ação tem uma pré-razão
Toda ação tem uma reação

De lá para cá
Transmuta uma vida, de nada repetida
De cá para lá volta-se, uma nova verdade


A da vida melhor vivida

Luciane disse...

Engraçado. Eu li teu post antes de escrever o meu mas se foi resposta a ele não foi nem um pouco intencional... Certo que não é fácil, e nem escrevi isso porque acho que todos temos que sorrir o tempo todo, Deus nos livre! Mas acho que quando a gente tem momentos em que o sorriso se afasta do nosso rosto o tempo parece mesmo se arrastar. Isso não é certo, nem errado, e sim parte dessa nossa louca vida. Mas passa, TEM que passar, né? Beijo pra ti!
***
Gostei do poema e tem muito a ver com a profissão, sim. Muito a ver com quem gosta de ouvir o outro, na verdade.
Apareça mais, e se vier com poesia, melhor ainda! :)

Daniel disse...

eu gosto de jogar frescobol contigo. denotado e conotado. :]